Biotechnos vence o Prêmio Nacional de Inovação da CNI e Sebrae

CNI e Sebrae anunciaram as empresas vencedoras do Prêmio Nacional de Inovação 2016/2017 em solenidade realizada em São Paulo na véspera do Congresso Nacional de Inovação na Indústria

A Biotechnos foi finalista em duas categorias - Gestão da Inovação e Inovação em Marketing - e venceu na categoria Inovação em Marketing, baseada na estratégia de conduzir sua oferta de solução (produto) por meio do estabelecimento de Arranjos Produtivos Locais. Inicialmente esta estratégia foi adotada para o lançamento de sua Usina de Biodiesel e, mais recentemente, foi também utilizada para constituir um APL de beneficiamento do Coco Babaçu, no qual novo equipamento da empresa vem sendo testado e implantado.

A Presidente da Biotechnos, Márcia Werle e o Coordenador de Projetos, Vinícius Puhl receberam das mãos do Diretor Presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos e do Vice Presidente da CNI, Industrial Paulo Afonso Ferreira os troféus de reconhecimento. A apresentação dos finalistas foi do jornalista Rodrigo Bocardi.

“Inovar em pequenas empresas não é fácil. É preciso apelar para a criatividade. Foi assim que iniciamos o nosso trabalho”, disse a presidente da Biotechnos (RS), Márcia Werle. A empresa foi a vencedora de inovação em marketing entre as micro ou pequenas empresas ALI e ganhou destaque a partir do uso do biodiesel nos geradores dos palcos usados pelo Papa Francisco na visita que fez ao Brasil, em 2013. Com pequeno investimento em comunicação, alcançou expressiva visibilidade e mídia positiva espontânea.

As 19 empresas vencedoras do Prêmio Nacional de Inovação 2016/2017 foram anunciadas na noite desta segunda-feira (26), em solenidade realizada em São Paulo. Os projetos foram reconhecidos como referências nacionais no desenvolvimento de inovação. O estado de São Paulo foi o que mais teve empresas premiadas, com cinco projetos. Na sequência, aparecem o Rio Grande do Sul (4), Santa Catarina (4), Bahia (2), Amazonas (1), Goiás (1), Rio de Janeiro (1) e Minas Gerais (1).

A iniciativa, capitaneada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequena Empresas (Sebrae), destinou às empresas ganhadoras um total de R$ 900 mil pré-aprovados no Edital de Inovação para a Indústria. Este ano houve recorde de inscrições. Participaram da premiação 3.987 empresas, das quais 34 chegaram à última etapa.

O vice-presidente da CNI Paulo Afonso Ferreira destacou a importância da inovação para o desenvolvimento econômico do país. “Com o espírito inovador incorporado daremos mais um passo decisivo para o aumento da competitividade e da produtividade da economia nacional”, discursou. Ele acrescentou que o Prêmio Nacional de Inovação é, também, inovador. “Trata-se da única premiação desse tipo que envia um Relatório de Avaliação desenvolvido especialmente para cada empresa inscrita, apresentando os pontos fortes e as oportunidades de melhoria.

Para o diretor-presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, o prêmio chega em uma boa hora. “Nesse momento em que o país enfrenta tantas notícias negativas, essa premiação representa um momento de renovação e comprova que o Brasil está muito vivo e com vontade de inovar. O Prêmio Nacional de Inovação significa um incentivo, uma abertura das portas da esperança de um país maior e melhor”, comentou Afif.

Os vencedores do Prêmio Nacional de Inovação foram selecionados a partir das escolhas de uma banca de juízes composta por representantes da CNI e do Sebrae e dos parceiros institucionais do prêmio: Instituto Euvaldo Lodi (IEL), Serviço Social da Indústria (SESI), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Movimento Brasil Competitivo (MBC), Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei), Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

 

Com informações da CNI